41. 3306-8000 | contato@dotti.adv.br

Artigos / Direito Administrativo

 

A nova lei de zoneamento de Curitiba e o Vale do Pinhão

*Para acessar todos os artigos do autor clique no nome acima.

Nova Lei do Zoneamento de Curitiba e o Vale do Pinhão

Em entrevista à Câmara Municipal de Curitiba,[1] Alberto Paranhos, Economista Urbano do IPPUC (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba) e líder do grupo que reviu a Lei de Zoneamento, Uso e Ocupação do Solo de Curitiba (Lei 15.511/2019), em vigência desde 05/08/2020, chamou a atenção para a “ousadia” do projeto quanto à Zona do Vale do Pinhão.

O “Vale do Pinhão” nasceu como programa municipal para agregar iniciativas privadas inovadoras, sejam econômicas, sejam culturais, na região do bairro Rebouças. A região é reconhecidamente deteriorada por falta de ocupação efetiva, ainda que seja bem estruturada com equipamentos públicos e muito próxima ao centro da cidade.

A nova Lei de Aquisição de Potencial Construtivo (Lei 15.661/2020), vigente desde 04/08/2020, não previu a concessão de potencial construtivo adicional para o Vale do Pinhão. Daí porque o incentivo de ocupação e verticalização nessa parte do Rebouças é realizado de outra forma.

A nova Lei de Zoneamento previu Zona de Uso Misto em forma de cunha (ou em forma de pinhão, como se queira), entre a Av. Getúlio Vargas, Rua Santo Antônio e Rua João Negrão. Para estimular a ocupação foi necessário propiciar a diversidade de uso dos lotes. Isto é, para cada lote é possível haver concomitantemente o uso habitacional, comercial, de serviços e até industrial – este desde que vinculado à economia criativa. A regulamentação está prevista nos artigos 59 a 63 da lei e prevê coeficientes de aproveitamento básico de 1 para cada uso e entre 2 e 4 pavimentos a depender do tipo de uso.

Dessa forma, se o mercado imobiliário atuar de forma estratégica será possível agregar variados usos em um único lote, o que resultará na cumulação dos coeficientes de aproveitamento básicos até o máximo de 3 e também dos pavimentos de cada tipo de uso até o máximo de 12. Ademais, se dois ou mais lotes forem fundidos, a resultar em, no mínimo, 2.000 m², será possível ainda agregar 0,5 ao coeficiente de aproveitamento máximo total.

Sem necessidade de maiores gastos pela iniciativa privada com a aquisição de potencial construtivo, o que pode ser imprescindível em outras zonas da cidade, e em havendo ampla diversificação de usos para reação urbana daquela região, vê-se um “nudge”, um incentivo do planejamento urbano de Curitiba para que o mercado locacional mude seu comportamento na região, mas sem alterar significativamente seus interesses econômicos.[2]

A medida não tem precedentes em outras cidades no Brasil, como lembrou Paranhos, e, portanto, pode viabilizar o aumento da densidade demográfica de uma zona que precisa ser efetivamente ocupada e resultar, como se espera, no aumento do valor de retorno dos empreendimentos a serem instalados.

[1] Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=rw332jfpgeU&t=54s

[2] THALER, Richard H.; SUNSTEIN, Cass R. Nudge: como tomar melhores decisões sobre saúde, dinheiro e Felicidade. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2019. p. 14.

*Artigo publicado pela Gazeta do Povo em 04/09/2020.


Voltar