41. 3306-8000 | contato@dotti.adv.br

Coluna “A vida e a alma da advocacia” – René Ariel Dotti

 

O PALPITE DO BACHAREL

professor René DottiHá uma diferença elementar entre Advogado e Bacharel em Direito. O primeiro é aquele legalmente autorizado a exercer a advocacia ou procuradoria judicial para o que deverá estar inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil.

O segundo é aquele que, tendo cumprido as exigências do Curso de Direito ou Curso de Ciências Jurídicas e Sociais, recebe da instituição o diploma e o respectivo título.

Além dessa diferença legal e funcional, outras existem como, por exemplo, o compromisso assumido pelo Advogado para patrocinar interesse individual ou coletivo perante juízes e tribunais ou no foro extrajudicial, ou de assumir atividades de consultoria, assessoria e direção jurídicas.  Em resumo, o Bacharel não tem qualquer relação profissional, ao contrário do Advogado que deve satisfações ao cliente ou à entidade pública ou privada que recebe o seu atendimento.

Um dos problemas enfrentados pelos militantes da advocacia são os diagnósticos e os prognósticos paralelos feito por bacharéis em Direito que, embora sem qualquer vínculo com a causa, emitem opiniões e conclusões que não raro se chocam com a orientação do patrono constituído.  Esse é o mal chamado de palpite de Bacharel.

Não se pode censurar o cliente pela consulta feita ao curioso. Trata-se de atitude humanamente compreensível para quem vive a inquietação ou até a angústia de um problema legal.  Poderá, até, existir benefício decorrente do palpite do Bacharel. Ao perceber que o atendimento prestado à causa está sendo monitorado – e isso é facilmente identificável quando a parte faz perguntas técnicas – o procurador não deve se aborrecer. Ao contrário, deverá prestar maiores cuidados. É recomendável informar o cliente sobre todos os atos do processo e encaminhar cópias das petições. E reconhecer que a indiscrição pode produzir efeitos positivos.

Em lugar de constrangimento o Advogado deve se esforçar para que o cliente reconheça a sua competência e dedicação no cumprimento do mandato que lhe foi confiado.

 


Voltar